O dia 18 de maio é marcado pelo Dia Nacional da Luta Antimanicomial, uma data que nos lembra da importância de lutar pelos direitos das pessoas com sofrimento mental. Este movimento é uma resposta à história de exclusão e estigmatização que muitas dessas pessoas enfrentaram, frequentemente em nome de tratamentos que as afastavam do convívio social.

O Movimento Antimanicomial coloca em evidência a necessidade de combater preconceitos e práticas que marginalizam aqueles que sofrem de transtornos psíquicos graves. A centralidade desta luta está no reconhecimento de que, assim como qualquer outro cidadão, essas pessoas têm direitos fundamentais inalienáveis. Elas têm o direito à liberdade, a viver em sociedade e a receber cuidados e tratamentos adequados sem que isso implique na perda de sua dignidade e de seu papel como cidadãos.

Lembrar do Dia Nacional da Luta Antimanicomial é, portanto, reafirmar o compromisso com uma sociedade mais justa e inclusiva. É reconhecer que o cuidado em saúde mental deve ser pautado pelo respeito, pela promoção da autonomia e pela integração social. É garantir que a busca por tratamento e cuidado não resulte em isolamento ou exclusão, mas sim em acolhimento e apoio.

Este movimento é um chamado para todos nós, como sociedade, refletirmos sobre como tratamos aqueles que enfrentam sofrimentos psíquicos. É um convite para derrubar muros e construir pontes, assegurando que todos possam exercer plenamente seus direitos e viver com dignidade.